Marionetas da Comédia de Dante · Folhas que o vento colhe

Uma exposição de marionetas feitas por Alberto Maguel a partir de representações célebres das personagens de A Divina Comédia de Dante Alighieri, no ano em que se celebram 700 da morte do poeta. Organizada pelo Centro de Estudos de História da Leitura e a Casa Fernando Pessoa

Alberto Manguel – escritor, leitor e investigador de história da leitura, profundo conhecedor da obra de Dante Alighieri – iniciou há anos um percurso de marionetista amador, para muitos desconhecido.  Nesta exposição, dão-se a conhecer as marionetas que criou a partir das personagens de A Divina Comédia, bem como os cadernos em que juntou recortes que o inspiraram e os seus esboços originais. 

Além das 89 marionetas das diferentes personagens, estarão expostos exemplares de A Divina Comédia/itálico lidos por Fernando Pessoa e por Alberto Manguel.

A exposição fica patente até março de 2022.


«Comecei a fazer marionetas na adolescência e continuei a praticar a arte em segredo. Depois de ler diariamente a Commedia durante quase duas décadas, pensei oferecer ao poema esta modesta homenagem de um dos seus inúmeros leitores.» Alberto Manguel

 

Marionetas da Comédia de Dante – Folhas que o vento colhe  

Conceito: Alberto Manguel
Apoio: Manuel Pizarro
Design da Exposição: André Maranha
Ilustrações: Alberto Manguel
Design: Bárbara Jarro
Vídeo: Francisco Correia

Centro de Estudos de História da Leitura e Casa Fernando Pessoa
EGEAC
Câmara Municipal de Lisboa
2021

 


Sobre Alberto Manguel
Alberto Manguel, argentino-canadiano, é escritor, tradutor, editor e crítico. Nasceu em Buenos Aires em 1948. Publicou vários livros de ficção e não-ficção, incluindo Embalando a Minha Biblioteca, Uma História da Leitura, A Biblioteca à Noite, Monstros Fabulosos e, com Gianni Guadalupi, Dicionário dos Lugares Imaginários. Recebeu numerosos prémios internacionais: entre outros, o Guggenheim em 2004, a Comenda da Artes e das Letras de França em 2014, os prémios Formentor e Alfonso Reys em 2017, e, em 2018, o Prémio Gutenberg e a distinção como Oficial da Ordem do Canadá.  É doutor honoris causa nas Universidades de Ottawa e York, no Canadá; Liège, na Bélgica; Anglo Ruskin em Cambridge, Reino Unido e Poitiers, em França. Até agosto de 2018 foi diretor da Biblioteca Nacional da Argentina. Atualmente, é diretor do Centro de Estudos de História da Leitura em Lisboa e da cadeira Europa: línguas e literaturas no Colégio de França.

 

Sobre o Centro de Estudos de História da Leitura

De vocação internacional e essencialmente dedicado ao estudo da história da leitura, o Centro de Estudos de História da Leitura tem por base o acervo bibliotecário doado por Alberto Manguel ao Município de Lisboa, uma biblioteca multilingue especializada em literatura e humanidades e organizada em torno da História da Leitura.
Com um posicionamento único na cidade, este novo espaço cultural pretende constituir-se como uma biblioteca de referência internacional e como centro de estudos pioneiro na área da história da leitura.
Aberto à cidade e ao mundo, o Centro centrará ainda a sua atividade na promoção das mais variadas iniciativas, entre exposições, leituras, performances e uma oferta educativa ampla e pensada para os mais diversos públicos.